Se isto não coisar clique aqui e assim. Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...: Na ocidental praia lusitana <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6653557\x26blogName\x3dOlhe+que+n%C3%A3o,+sh%C3%B4+Doutor!+Olhe+que+n%C3%A3...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/\x26vt\x3d-538406010109702714', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...

Verdades absolutas sobre basicamente tudo.
All great truths begin as blasphemies.
Nem mais. Porra. 

6 de junho de 2006

Na ocidental praia lusitana











A época balnear abriu no primeiro dia deste mês. A novidade este ano é que, eventualmente, lá hão-de aparecer os tais agentes da polícia marítima e com eles as propaladas novas leis que vão reger o comportamento dos veraneantes. Logo para começar, deve ser lixado para os gajos da Polícia Marítima que, em pouco tempo, passam, pelo menos de forma mais visível, de indivíduos que operavam em alto mar, à procura de traficantes de droga, cargueiros de tráfico humano e navios de piratas bérberes, para indivíduos que passam multas a quem for tomar banho quando não podia. Depois, é triste quando o mundo chega a um ponto em que é preciso punir monetariamente as pessoas para as impedir que, de tão estúpidas que são, se matem sozinhas. Foi por isso que, por exemplo, aqui há não sei quanto tempo, se começou a multar quem não usa capacete. O capacete passou a ser obrigatório porque, basicamente, havia muita gente que o dispensava e depois abria a cabeça. E às vezes até morria e assim essas coisas graves. Para muita gente, essa gente, parece que não houve evolução entre a infância e a idade adulta. Quando somos miúdos é que os nossos pais, fartos de nos dizer para não metermos um garfo nas tomadas, nos castigam com a privação de coisas. Gelados, chocolates, brinquedos e visionamento de bonecos, basicamente. Porque quando somos pequenos, a expressão “olha que isso faz-te mal” não faz sentido nenhum. Não se consegue processar essa informação. Para as pessoas que preferem andar sem capacete, a polícia acaba por ser um equivalente dos pais. Fartos de lhes dizer para não andarem sem capacete que ainda se aleijam, resolveram começar a cortar-lhe a mesada sempre que os vissem sem a protecção oval para a cabeça. A essência da multa é esta mesmo: “se és tão estúpido para perceber que o capacete é para o teu bem, começas a ficar sem dinheiro sempre que te apanharmos nesses propósitos nada seguros”. Para, assim, a associação entre “fazer isto” – sendo “isto” uma estupidez qualquer – e “acontecer aquilo” – sendo “aquilo” algo que o indivíduo facilmente percepciona como negativo – ser mais visível, mais imediata e palpável. É como aquelas experiências em que dão choques eléctricos aos macacos para eles aprenderem a fazer as coisas como deve ser. Pessoalmente, nada tenho contra esta forma de controlo e educação. Embora ache que a punição daqueles espécimes bem específicos que, quando andam de motorizada, não usam capacete mas tomam a absurda opção de o levar no braço, devesse ser bem mais pesada. Talvez qualquer coisa que envolvesse picaretas e rótulas ou qualquer outro osso relacionado com articulações. Ou que envolvesse uma faca serrilhada. Em vez das picaretas, claro. O mesmo se aplica àqueles que, também não levando capacete, levam um palito no canto da boca. E, aproveitando o balanço, àqueles que usam o acto de andar de mota sem capacete como um substituto funcional do secador.

A lógica que sustenta as multas nas praias é idêntica. Há pessoas para quem um maremoto não é impeditivo de uma nadadura e uns mergulhos. Há pessoas que até acham que a digestão é uma coisa que não existe, que não passa de um mito criado para, mantendo a populaça temente, servir sabe-se lá quem. Aliás, quando dizem a alguns banhistas, directa ou directamente, que não se pode ir, é quando eles querem ir mesmo. E este é um comportamento bastante comum em fedelhos. Eu, por exemplo, nunca na vida quis pôr um saco de plástico na cabeça, até ao dia em que vi na TV que não se podia fazer isso porque era perigoso. Estas pessoas querem apenas fazer aquilo que lhes dizem que não podem fazer. Vai daí, e porque uma bandeira de cor rosada e um idiota em calções a apitar e a dizer adeus não andava a funcionar por aí além, foi preciso aplicar outra vez os cortes na mesada. As multas. Mais uma vez, nada contra. É o tal o princípio do capacete. Mas, e já que vai haver fiscalização punitiva para actividades que se desenrolam em praias, já que se vai aplicar esse princípio, acho que as prioridades deviam focar outras ocorrências. Outras que, mais que o usufruto cuidado e seguro do mar, urgem de punição da grossa. São cinco acções de praia que, a meu ver, merecem correctivos para quem as pratica. E, atenção, nestas cinco, estou a deixar passar, entre muitas outras, as pessoas que pensam que caroços ou pauzinhos de Perna de Pau, sendo matérias naturais, não é lixo; pessoas que vão tomar banho literalmente para cima de desconhecidos; pessoas que fazem questão de passar no meio de um jogo de raquetes quando podiam muito bem passar ao lado; pessoas que passam um dia inteiro a imitar o barulho de focas e/ou gaivotas; pessoas que têm pára-ventos gigantes de fabrico artesanal e que mais parecem muralhas; pessoas que enterram mal o chapéu-de-sol e, após uma rabanada mais vigorosa, essa armação de varetas, pano e uma haste central com uma extremidade pontiaguda, sai disparada às cambalhotas pela praia fora, podendo muito cegar alguém ou perfurar-lhe o baço; pessoas que levam cães, incentivam a que se banhem, e depois ainda os deixam sacudir-se violentamente em cima de outras pessoas; pessoas feias e homens que no regresso da ida ao banho – ensopadas portanto – passam demasiado perto da minha toalha e acabam por deixar cair pingos seus em cima de mim; pessoas que comem dentro de água; pessoas que tratam todo e qualquer grão de areia como se fossem formigas a atacar os rissóis que estão a comer num piquenique; pessoas que tocam viola, especialmente se for a “Dunas”, ou djambé; pessoas que comem coisas com cheiros intensos; pessoas que gritam; pessoas que entram na água a correr e defendem, com unhas e dentes, que “assim é melhor”; ou pessoas que pensam que nadar e chapinhar são sinónimos para todo o comum mortal e não apenas para elas. Sim, para provar que não se trata de má fé, estou a deixar toda esta canalha de fora. Não é que a gentalha citada não mereça bordoada jurídica. Claro que merece. Mas há, ainda e infelizmente, quem mereça mais. E já! Ora então, na próxima edição, as cinco acções que, a meu ver, claro, mais carecem de punição legal. Ou punição por meio de milícia popular armada exclusivamente para o efeito. Essas excelsas entidades que a História tem provado serem dotadas, não só de um apurado sentido prático, mas sobretudo de enorme discernimento.


Blogger João said...

Obviamente que a opção do capacete no braço poderá parecer completamente anormal À primeira vista. No entanto, existe uma explicação para esse comportamento: o capacete no braço tem como propósito a protecção dum cotovelo do individuo motociclista, pois a dor de cotovelo é das dores que mais aflige as pessoas e a humanidade em geral, logo deverá ser evitada sempre que possível.  


Enviar um comentário

© J. Salinas 2005 - Powered by Blogger and Blogger Templates