Se isto não coisar clique aqui e assim. Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...: Deportações e pauladas. Na cabeça. <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6653557\x26blogName\x3dOlhe+que+n%C3%A3o,+sh%C3%B4+Doutor!+Olhe+que+n%C3%A3...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/\x26vt\x3d-538406010109702714', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...

Verdades absolutas sobre basicamente tudo.
All great truths begin as blasphemies.
Nem mais. Porra. 

1 de abril de 2006

Deportações e pauladas. Na cabeça.
















Raramente se ouve falar neles, mas a verdade é que o Canadá tem andado na ordem do dia. Antes de mais, porque anda a deportar portugueses aos magotes. Sobretudo açorianos. Ou seja, tudo leva a crer que a administração canadiana andou a ver “Os Acusados”, filme em que a Jodi Foster, empubescida marafona no “Taxi Driver”, é profanada em cima duma mesa de bilhar por um bando de emigrantes das ilhas. “Os Acusados” está então para a comunidade emigrante portuguesa como “A Paixão de Cristo” está para os judeus: toda a gente os quer matar depois de ver estas produções cinematográficas. E o Canadá, que, como toda a civilização, se baseia na máxima “se está num filme, tem que ser verdade!”, pôs-se muito naturalmente a enxotar esse pessoal das violações.

A questão mais preocupante, para Portugal, é o facto do Canadá poder, em breve, deportar também a Nelly Furtado e os inúmeros indícios de síndrome de Down que a acompanham para todo o lado. Se tal acontecer, o Canadá demonstrará acima de tudo acentuados sinais de ingratidão para com o país que, convém nunca esquecer isto, acolheu Bryan Adams durante o Verão de 69, época estival em que, narra a canção com o mesmo nome, só não viu nascer mais uma banda em Cascais porque o Jimmy foi-se embora e a Jody casou-se. Mais bandas de Cascais é coisa que todos sentimos falta, mas paciência. Por outro lado, convém também lembrar que o Canadá possui um considerável arsenal de armas de destruição massiva, onde se destacam largamente os discos, as fotos da lua-de-mel e os slides das férias da Céline Dion, e, por isso, é melhor não disputar as suas decisões feito parvinho. Pedir, sim, mas com jeitinho. Como só o Freitas do Amaral sabe fazer.

O Canadá não é só notícia porque começou a fazer aquilo que em Portugal se faz há muitos anos, embora, no nosso caso, não tenha merecido destaque mediático porque é com estrangeiros, gente que não interessa. O Canadá é com portugueses, boa gente, que trabalha e não dá chatices. Ora, aquela frígida nação também é notícia porque não é todos os dias que um país civilizado, e até admirado em muitos aspectos – curiosamente, todos fazem parte da anatomia da Pamela Anderson, da moçoila do “24” e daquela outra que fazia de monstro com o cio no “Species” –, decide que, não só é impreterível aviar milhares de focas bebé, como a melhor maneira de o fazer parece ser mesmo com pauladas na cabeça. E é preciso porque, citando as autoridades canadianas, “há muitas focas”. O critério é, de facto, magnífico e tomara Portugal aplicá-lo aos pombos e, a esta área ainda de forma mais urgente e intensa, às pessoas que cortam as unhas ou qualquer outro material com ADN em transportes públicos. Mas, diz quem sabe, que não é só por haver muitas focas, é também porque as focas, depois de mortas, dão peles fantásticas para os desfiles de moda, gorduras e óleos riquíssimos em omega-3 e, enfim, parece que até as pilas destes mamíferos desempenham um importante papel na indústria oriental dos afrodisíacos. Há algo de absurdamente provocador e cruel nesta dinâmica. Não bastando uma série de pauladas na cabeça, ainda sujeitam os pobres bichos a um massacre post-mortem, mandando-lhes as peles para cobrir as curvas de modelos, enquanto que as pilas acabam a enfeitar pratos de asiáticos decrépitos com uma tara que só encontra conforto e aconchego à pala de vídeos de animação sobre as aventuras de colegiais e tentáculos mutantes.

O massacre das focas nem é propriamente uma novidade. Há muito que se fala nisso e há muito que inúmeras celebridades se juntam ao habitual coro de protestos. Este ano, fizeram-se ouvir Paul McCartney e Brigitte Bardot. Não são os melhores símbolos de luta. Deviam escolher pessoas que pusessem o resto do mundo do lado das focas e não o contrário. O principal problema do Paul McCartney é só um, mas define tudo: o indivíduo insiste em demonstrar constantemente ao mundo que o Mark David Chapman fez pontaria ao Beattle errado. O problema da Brigitte Bardot é em tudo semelhante: insiste em provar constantemente ao mundo que o Mark David Chapman, mais que abater o Beattle errado, fez pontaria à celebridade errada. Os tempos mudam mesmo. E, se há quarenta anos atrás, imaginar Brigitte nua seria o principal vector explicativo das vertiginosas subidas nas taxas de natalidade, hoje, despir a senhora com os olhos é um instrumento de controlo de natalidade mais eficaz que a vasectomia. Se, sabe-se lá por que raio, não resultar com a Brigitte, experimente despir mentalmente o Paul, enquanto ele vai cantando a “Ebony and Ivory”. Como se trata de um dueto, o Stevie Wonder é opcional, assim como a sua possível nudez.


Enviar um comentário

© J. Salinas 2005 - Powered by Blogger and Blogger Templates