Se isto não coisar clique aqui e assim. Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...: Grandes Líderes (V): Pol Pot <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6653557\x26blogName\x3dOlhe+que+n%C3%A3o,+sh%C3%B4+Doutor!+Olhe+que+n%C3%A3...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/\x26vt\x3d-538406010109702714', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...

Verdades absolutas sobre basicamente tudo.
All great truths begin as blasphemies.
Nem mais. Porra. 

22 de outubro de 2005

Grandes Líderes (V): Pol Pot







Da esquerda para a direita:
sério, na foto para o passe social e para o cartão das vacinas (1947), nostálgico, na reunião da tropa a recordar as desventuras do Antunes nas latrinas (1971); enojado, ao ver como um camarada conseguia desentupir a uretra com um arame (1983); e, finalmente, indignado, quando a jornalista da CNN lhe perguntou se era circuncidado (1997).

Pol Pot nasceu a 19 de Maio de 1925 e por cá andou a gastar ar e a ocupar espaço até ao dia 15 de Abril de 1998. O seu nome de baptismo era bastante dúbio. Saloth Sar, que é mais ou menos como eu imagino que um chinês diga os vocábulos portugueses ‘Serrote Sara’. Serrote é um nome porreiro e até no recreio da prisão impõe respeito e veicula temor, mas Sara é nome de mulher. Daí a dubiedade. Foi um estudante ridículo, tendo chumbado em todos os exames, inclusive numa TAC que fez um dia em que tinha estado a brincar com um parafuso perto da orelha e, como passado um bocado não sabia dele e lhe doía bastante a cabeça, achou melhor ir tirar as dúvidas no centro de saúde. Eventualmente, em 1949, lá conseguiu ganhar uma bolsa de estudo – ganhar no sentido ‘aquele ladrão ganhou aquela carteira que estava no bolso daquele senhor’ ou ‘o Benfica ganhou o campeonato’ – e lá foi ele para Paris, falar francês, cagar nas cuecas e não saber o que fez. Na verdade, foi estudar uma engenharia qualquer para mexer em rádios. Mas pode muito bem ter apanhado um cagaço no metro e só ter reparado nas consequências escatológicas do susto quando chegou a casa. Nesse caso, a versão censurada da lenga-lenga do Gato Maltês aplica-se perfeitamente. Durante a sua estada na cidade das luzes, que é Paris, dizem, Pol Pot converteu-se ao comunismo, e, mais tarde, voltou ao seu Cambodja, já um senhor na arte de sintonizar rádios e perito em dialéctica maoísta.

Regressado, meteu-se lá numas confusões por causa dumas partilhas e duns terrenos, e andou fugido da polícia secreta durante sete belos anos, temporada que aproveitou para juntar um exército com o propósito de derrubar quem quer que estivesse no poder. Não era nada de pessoal, portanto. O nome do seu esquadrão é que era bem porreiro, Khmer Vermelho, e as pessoas devem ter votado nele por causa disso. Isto, claro, se o Cambodja fosse a democracia que nunca foi. Acabou mesmo por ser à bordoada, e com o apoio dos chineses (apoio a sério, não é ficar a ver e a dizer ‘dá-lhe!’, ‘força, Pol!’ ou ‘cuidado, atrás de ti!’), que Pol Pot chegou a líder. E ia-se fazer história.

O regime de Pol Pot matou mais de dois milhões de pessoas, tendo, como alvos preferenciais, monges budistas, intelectuais que tivessem estudado no ocidente, pessoas com óculos e grupos étnicos, como pessoal do Laos e do Vietname. Imaginam esta proposta a ser apresentada lá nas reuniões do Pol Pot com os seus acessores ou aos seus compatriotas? “Temos que livrar o Cambodja de muito lixo! Espiões do Laos e do Vietname, intelectuais com formação no ocidente capitalista, monges budistas com a sua religião capitalista e… deixa cá ver quem mais... ah, sim, caixas de óculos!”. Convenhamos que deve ser complicado, para os gajos do Laos e para os vietnamitas, deixar de parecer que o são e, logo, pouco havia a fazer senão esperar pelo destino. Os monges budistas são uns espalhafatosos do caraças e aqueles vestidos cor-de-laranja eram o seu calcanhar de Aquiles. E toda a gente sabe como é que são os intelectuais, sempre a dar opiniões, a ler, a beber conhaque e a fumar charuto. Tudo alvos fáceis, portanto, sobretudo porque identificáveis e com poucas hipóteses de camuflagem. O que me faz confusão são os gajos com óculos. Deixar de parecer vietnamita é uma coisa. Despir aquele vestido fluorescente dos monges budistas é mais fácil, mas, ainda assim, lixado se tiver que ser de repente. Os intelectuais já se sabe que estavam lixados, essencialmente porque, para essa gente, não dar opiniões é como eu não atirar para longe o chinelo que está instalado no pé suspenso de outra pessoa que tem a perna cruzada. Gosto de fazer isso e não consigo evitar. Agora, qual é a dificuldade de deixar de parecer um gajo de óculos quando o exército do Pol Pot, que até é coisa para dar nas vistas, faz uma inspecção? Podia acontecer os gajos com óculos não verem o exército a aproximar-se, e quando dessem por ela, ‘ai, caraças, que já me lixei bem lixado!’. Mas os gajos com óculos usavam óculos, raios parta! Se não viam o exército, tirassem os óculos, porque, afinal de contas, não lhes parecia melhorar a capacidade visual por aí além! Se viam o exército, porque é que raio não tiravam os óculos, deixavam passar os executores, e depois metiam-nos outra vez para poder voltar a micar um cu em condições? Bem, em homenagem ao acossamento de que foram vítima os quatro-olhos cambojanos, a ONU decidiria, mais tarde, que 'não se batia em pessoas com óculos'.

A verdade é que estava criado um eficaz exército de indivíduos que odiavam pessoas com óculos, e acaba por ser o Vietname, o país dos maus do ‘Platoon’ – para além do Tom Berenguer, esse pulha que deixou o Williem Dafoe para trás –, a invadir o Cambodja e a expulsar os Khmers Vermelhos do poleiro. Isto em 1979, sendo que, durante 18 anos, até 1997, Pol conseguiu manter um exército de Khmers escondido na selva, à espera não se sabe bem de quê. Se calhar, os vietnamitas estavam a contar até trezentos mil biliões e só depois é que iriam atrás deles. É preso nesse mesmo ano de 97 e condenado a prisão domiciliária. Ficar de castigo em casa é lixado quando se tem 7 anos e está um dia radioso ou esteve a chover e temos uns botins novos para chafurdar nas poças e na lama, mas quando se tem mais de 70 e se matou dois milhões de pessoas, parece-me coisa pouca. Lá consegue fugir, não muito depressa, suponho eu, e acabou mesmo por morrer no meio da selva cambojana. Os poucos camaradas Khmers que ainda existiam queimaram o seu cadáver, e passo a reproduzir, 'só para ver se dava'.


N.B: Entretanto, complete a sua enciclopédia com os restantes quatro fascículos (têm todos um preço de lançamento porreiro, menos o primeiro):

Estaline
Hitler
Salazar
Kim Jong Il



Blogger Lisbon said...

ate' k enfim um post novo!!!
mas k raio, tu so' bates nos nossos camaradas anti-fascistas k tentam libertar o seu povo da opressao capitalista.
nao tarda muito andas a dizer k o gero'nimo de sousa andou a queimar aldeias no alentejo e k o Carvalhas tem um colar feito de orelhas de velhinhos  


Blogger João said...

Apoiado! Porque quando bateste nos nossos camaradas anti-fascistas Hitler e o Dr. Oliveira foste extremamente injusto!!! És um fascista , um porco e um coisinho!  


Anonymous Telmo said...

Esse tal de Geronimo tem muito que se lhe diga... Ainda ha muita terra por virar no Alentejo... E impossivel haver tanto comunista eleito naquela zona; parece-me que andam a apagar companheiros politicos de direita!  


Blogger Pedro said...

Não sei quem é esse tal de Gerónimo, mas pelo andar da conversa, pode haver mentes mal-intencionadas que o confundam com o Jerónimo de Sousa…  


Anonymous David said...

acho importante teres mencionado o maior perseguidor de "gajos com óculos"q acho q tb matou umas pessoas, mas a descriminação para com "gajos com óculos" continua, na tua rua, em minha casa, no nosso país!juntamente com gajas q usam bandelete, e quem usa coletes sem ser obrigado a isso e dentistas, somos perseguidos motivo de chacota, mas o povo cambodjiano ensinou-me a tirar os óculos cm só eles sabem...De resto a crónica 'tá boa cm sempre  


Blogger Lisbon said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.  


Blogger Lisbon said...

Gero'nimo e' um pastor transmontano,nao confundir com o grande lider espiritual jero'nimo de Sousa tb conhecido por Jo'-Jo'...  


Blogger skipper said...

Então, a encicolpedia está meio parada... que tal o proximo ser o Augusto, o Pinochet?  


Blogger Pedro said...

A enciclopédia era mesmo só para ser com estes cinco arautos do povo. Mas, se fizer mesmo questão, posso sempre fazer mais uns poucos, sempre com o rigor histórico que transpira das biografias anteriores. Deixe sugestões, caro indivíduo. Deixe sugestões.  


Enviar um comentário

© J. Salinas 2005 - Powered by Blogger and Blogger Templates