Se isto não coisar clique aqui e assim. Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...: Choveu, pronto. <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6653557\x26blogName\x3dOlhe+que+n%C3%A3o,+sh%C3%B4+Doutor!+Olhe+que+n%C3%A3...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/\x26vt\x3d-538406010109702714', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...

Verdades absolutas sobre basicamente tudo.
All great truths begin as blasphemies.
Nem mais. Porra. 

25 de outubro de 2006

Choveu, pronto.












Hoje, pela primeira vez em meses, despertei antes da hora em que começam a dar as notícias de futebol nos telejornais. Ora bem, quer isto dizer que comecei logo mal o dia. Não gosto mesmo nada de esperar pelas notícias de futebol. Mas a verdade é que hoje lá calhou. Acordei ainda antes da uma. Faltava uma vintena de minutos para os telejornais começarem e mais umas boas duas ou três dezenas para as notícias de futebol. Tinha que arranjar entretém para um período que podia muito rondar uma hora inteira. Tinha três grandes hipóteses. Cortar as unhas foi logo posta de lado porque, desde há uns meses a esta parte, só o faço dentro do polibã. Sim, estava farto de andar à procura de unhas. Não faz sentido termos Internet e essas coisas e depois, quando se trata de cortar as unhas, aquilo saltar para tudo quanto é lado. É o caos. É medieval. Podia acontecer eu ser um indivíduo ocupado e ter mais que fazer que andar à procura de unhas. Por acaso não tenho, mas, mesmo dentro da decadência, é de bom-tom manter alguns princípios. Eu sou desses. Se fosse mendigo, até era gajo para nem cheirar a mijo nem nada. Ou então fingia que não era eu. Às vezes está tudo na atitude. E corto as unhas dentro do polibã porque assim elas ficam ali na zona. Não as tenho que procurar, feito parvinho. Não andamos a meter pessoas no espaço para agora andar eu aqui, que nem um selvagem, à procura de unhas. Já no polibã, também não as apanho, mas ao menos sei onde elas estão. Experimentem, mas é. E, aquietai, se não morarem sozinhos, cedo vão perceber que a questiúncula “Olha lá, meu porco da merda, por que é que raio o polibã está cheio de unhas?” só soa estranha as primeiras vezes. Além do mais, eventualmente, deixar-se-á de ouvir. A outra hipótese de entretém era ler um livro, que eles dizem naqueles programas de falar que faz bem e isso. Só que eu estava no quarto. E o catálogo da Worten que ando a ler há uns meses está no bidé. Importa desde já adiantar que vai sendo assim, com pequenos truques, que eu me vou livrando da angústia da escolha kierkegaardiana. São pequenas manigâncias que, quem sabe um dia, reunirei numa brochura ou escreverei numa parede de minha casa com as minhas próprias fezes. Posso até dar um exemplo. Pois bem, pegando no que já se referiu para não confundir as vossas mentes enfezadas, como escolher entre ler Kierkegaard e o catálogo da Worten? Simples, basta pensar qual dos dois autores, Kierkegaard ou Worten, usava um balde para cagar. E eu, santa franqueza, alguma vez me vou pôr a ler coisas escritas por um gajo que usava um balde, provavelmente nem de plástico ou PVC, para cagar? Não senhoras! Estabeleço a sanita como critério mínimo. É que eu, como disse, tenho princípios. Um gajo que caga num balde não me pode ensinar nada. Por outro lado, um gajo que sabe quantas cabeças tem um vídeo é um poço de sabença.

Restava-me a última hipótese. Ver televisão. E vi. Meti na SIC. O comando está com pilhas fracas e, sabe-se lá porquê, só no 3 é que ainda não tenho que carregar com muita força. Daí a escolha. Como já disse, angústia na escolha é retórica de quem caga em baldes. Estavam pessoas a falar, como é costume. Eram umas poucas. Uma delas era a Floribella Queirós, que eu não via há séculos, mas que parece que tem uma telenovela nova na SIC que os miúdos gostam e cantam as músicas e tudo. Estavam a anunciar ao mundo que a Elsa Raposo já não andava com um gajo chamado Mário. Fiquei, logo a partir daquele momento, a pensar quem seria este Mário. Deve ser famoso. Afinal, estavam a falar dele na televisão. Quantos Mários conheço eu que são famosos? Mário Jardel. Mário Laginha. Mário de Sá-Carneiro. Mario Puzo. Mário Henrique-Leiria. Super Mário. Mário Cesariny. Mário Soares. Mário Crespo. Mário Vargas Llosa. Mário Viegas. Mário Zambujal. Mário Sérgio. Reparo que, por incrível que pareça, o Mário Sérgio não conseguiria escrever “A Crónica dos Bons Malandros”, mas o Mário Zambujal já era capaz de mandar centenas de cruzamentos para as bancadas de Alvalade. Coisas da vida. Esqueci-me por que raio estava a dizer nomes de Mários famosos em voz alta e, olha, já está a dar o telejornal. Parece que esta noite choveu que Deus a deu. Preocupo-me com estas coisas do ambiente e da natureza, mas não o suficiente para não ficar com o pasmo quando estão a dar coisas sobre isso na televisão, na rádio ou em conversas. Mas até sou um gajo ecológico e tudo. Fecho a porta do frigorífico por causa da camada do ozono e assim. Da camada ou do buraco. É aquela parte que está estragada porque nós não fechamos a porta do frigorífico e usamos desodorizantes de spray e lacas e Raid e Mafu. Eu uso roll-on. Para tudo. Até em vez do Raid e do Mafu. Dá mais trabalho, mas enfim, é pelo bem comum e do buraco ou da camada. A pior parte é, quando lá calha, ter que tirar moscas esmagadas dos sovacos. Pode não parecer, mas explicar porque é que se têm moscas esmagadas nos sovacos não é assim tão fácil. E não fico com a porta aberta enquanto tiro uma fatia de fiambre do tupperware. Não, eu tiro o tupperware cá para fora, tiro o fiambre e depois é que volto a abrir o frigorífico. Bem, e não é que a porra das notícias sobre a chuva não parecia ter maneira de acabar? Só quase às duas é que pude saber quem treinou com os colegas e quem ficou no ginásio a fazer trabalho específico. Já durante o Verão é a mesma coisa. Se é fogo é porque é quente e queima pinheiros, se é água é porque é fria e encharca alcatifas. Esta gente nunca está é contente com nada.


Blogger El Ranys said...

É o que é, Pedro. Assim vai o mundo. Nunca experimentaste matar as moscas com a fatia de fiambre? Assim, poupavas também no roll-on.  


Blogger Different said...

ou tentar atingir as moscas com as unhas? Assim já sabias onde tinhm caído.
Já agora, se falam dum Mário famoso na Sic, das duas uma: ou é namorado da Elsa Raposo ou participou num reality show.  


Anonymous Anónimo said...

Meu, tu és genial.  


Enviar um comentário

© J. Salinas 2005 - Powered by Blogger and Blogger Templates