Se isto não coisar clique aqui e assim. Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...: O Mad Max, esse mentiroso... <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6653557\x26blogName\x3dOlhe+que+n%C3%A3o,+sh%C3%B4+Doutor!+Olhe+que+n%C3%A3...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://olhequenao.blogspot.com/\x26vt\x3d-538406010109702714', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
Olhe que não, shô Doutor! Olhe que não...

Verdades absolutas sobre basicamente tudo.
All great truths begin as blasphemies.
Nem mais. Porra. 

8 de abril de 2004

O Mad Max, esse mentiroso...













Ao que parece as comunidades judaicas um pouco por todo o lado têm-se insurgido contra o último filme do Mad Max (“A Paixão de Cristo”), apoiando-se na tese de que a obra seria anti-semita e pouco precisa em termos históricos, uma vez que os retrata como os principais impulsionadores da morte desumana de Jesus. Ora, basicamente, os judeus sentem-se ofendidos com tamanha difamação orquestrada pelo Mad Max, e não se revêem naqueles rabis sem coração que, no filme, pediram (tipo...bué da vezes!) ao shô Pôncio Pilatos para crucificar Jesus.

Pessoalmente, acho que o filme dá realmente um bocado má impressão dos rabis em particular (também digo-vos já: quem escolhe um nome destes para os padres, tá mesmo a pedi-las!) e dos alucinados judeus em geral. Quem viu o filme sabe do que estou a falar. É quase impossível não querer sovar um judeu depois de ver “A Paixão de Cristo”, da mesma maneira que é quase impossível assistirmos ao “Paciente Inglês” sem desejar arduamente que a personagem do Ralph Fiennes se cale duma vez, ou seja, que morra e o filme acabe!

Deste modo, o que há a concluir é que a dita comunidade não pactua com os desvarios cinematográficos do Sr. Mad Max e não irá permitir que seja passada para o mundo uma imagem negra e impiedosa dos seus consócios. Estranho é que a mesma comunidade ache que um filme do “Guerreiro da Estrada” tem mais impacto na degradação da sua imagem no resto do mundo, do que atirar com três mísseis a um velhote numa cadeira de rodas e congratular-se por isso.


Enviar um comentário

© J. Salinas 2005 - Powered by Blogger and Blogger Templates